*



*

Princípio da submissão

Não sou tua submissa porque Te amo.

Te amo porque sou tua submissa.


Amar Yasmine

*


Minha Alma

Eu amo minha alma despojada



Minha doce alma submissa



Minha alma que espera.. espera.. espera



Minha alma que espera quieta, subserviente e nua



Eu amo esta minha alma



Que de tão devassa e suja



Se torna pura



Amar Yasmine

*







28 de abr de 2011

ELE chegou e....



Nesta Semana Santa ganhei o mais lindo e precioso presente que poderia ganhar: A presença do meu DONO, SENHOR DEXPEX, em nossa casa. Foram cinco deliciosos dias, só nós dois, respirando o mesmo ar, vendo o mesmo azul e as mesmas nuvenzinhas brancas no céu, debaixo da mesma lua.

2010 foi um ano muito difícil para nós, não pudemos nos ver como havíamos planejado. Quando me lembro das saudades imensas pelo longo período de espera, meu coração aperta e choro... mas, sempre sou salva por um sentimento de satisfação comigo mesma, por ter confiado cegamente no meu SENHOR, esperando com a alma leve como deve ser a alma de toda escrava.

Não vou dizer que tenha sido fácil, não foi mesmo. No entanto, durante os 15 meses que fomos impedidos de encontrar não vacilei, não o crivei de perguntas, não desconfiei, não duvidei de suas palavras e O esperei da forma mais digna e despojada, com toda a compreensão, temperança e carinho necessários.



Perto de sua chegada, todo o meu ser em festa, meu corpo ardia de desejos de dar a ELE minha carne para que saciasse seus desejos mais sádicos e mais obscenos e, nos dias que antecederam à sua chegada nao consegui comer, beber e nem dormir.

Quando o vi no desembarque, a boca seca e o coração saltando na garganta pensei: Que mulher feliz você é, Amar, por poder se doar de corpo e alma a este HOMEM que é seu DONO e por ter a chance de avivar em sua mente que em vc ELE tudo pode e em vc ELE tudo tem.

Mas, as coisas não saíram como pensei. Não tenho nenhum pudor em contar aqui o que aconteceu, acho que meu relato pode ser útil para novas escravas quando sentem medo da dor. Também para escravas experientes, que por algum motivo vêem seus limites despencados de um momento para outro e sua fragilidade vir à tona. Só queremos ser perfeitas... rs... como se isto fosse possível...



Sim, eu queria ser perfeita nos cinco dias que ELE estaria aqui... mas, amarelei. Embora minha submissão fosse absoluta, tive medo da dor que tanto me excita. Cada vez que ELE se aproximou de mim com seu sorriso sádico eu estremeci e me encolhi de medo. Isso não parou meu DONO, no entanto. ELE me bateu, me mordeu, me queimou.

Houve momentos que chorei muito... solucei... a dor me vinha como um gigante ameaçador. Implorei que parasse, coisa que nunca fiz. Meu DONO teve toda a paciência do mundo, mesmo assim fiquei muito frustrada comigo mesma por ver meus limites no chão, por querer servir plenamente e não conseguir. Mais de uma vez pedi perdão. ELE, até me perdoou... mas, fez valer sua vontade e me deixou essas marcas lindas.

Antes de nos despedirmos eu perguntei:
_DONO, algo te desagradou?
ELE me olhou fixo e me respondeu com outra pergunta:
_Onde está sua resistência, Amar?
Morta de vergonha, de cabeça e olhos baixos, ousei:
_Ela voltará a ser como sempre foi e até melhor, DONO. É uma promessa!

Assim que ELE partiu me corpo reagiu e eu desejei sentir todas as dores desperdiçadas, mas agora terei que esperar por sua nova chegada para dar-lhE TUDO que ELE merece dos meus carinhos, da minha servidão e do meu masoquismo, que não são uma simples ilusão, mas o que de mais real tenho em mim.



Obrigada, meu DONO,
por tua comprensão, paciência
e por todos os carinhos.

Obrigada, meu DONO,
por me permitir estar a teus pés
e por me fazer a mais feliz das escravas
de todos os tempos, e de todo o universo.


DEXPEX_{Amar Yasmine}

17 de abr de 2011

10 de abr de 2011

A moça mostrava a coxa




A moça mostrava a coxa,

a moça mostrava a nádega,

só não mostrava aquilo

– concha, berilo, esmeralda –

que se entreabre, quatrifólio,

e encerrra o gozo mais lauto,

aquela zona hiperbórea,

misto de mel e de asfalto,

porta hermética nos gonzos

de zonzos sentidos presos,

ara sem sangue de ofícios,

a moça não me mostrava.

E torturando-me, e virgem

no desvairado recato

que sucedia de chofre

à visão dos seios claros,

qua pulcra rosa preta

como que se enovelava,

crespa, intata, inacessível,

abre-que-fecha-que-foge,

e a fêmea, rindo, negava

o que eu tanto lhe pedia,

o que devia ser dado

e mais que dado, comido.

Ai, que a moça me matava

tornando-me assim a vida

esperança consumida

no que, sombrio, faiscava.





Roçava-lhe a perna. Os dedos

descobriam-lhe segredos

lentos, curvos, animais,

porém o maximo arcano,

o todo esquivo, noturno,

a tríplice chave de urna,

essa a louca sonegava,

não me daria nem nada.

Antes nunca me acenasse.

Viver não tinha propósito,

andar perdera o sentido,

o tempo não desatava

nem vinha a morte render-me

ao luzir da estrela-d'alva,

que nessa hora já primeira,

violento, subia o enjoo

de fera presa no Zôo.

Como lhe sabia a pele,

em seu côncavo e convexo,

em seu poro, em seu dourado

pêlo de ventre! mas sexo

era segredo de Estado.

Como a carne lhe sabia

a campo frio, orvalhado,

onde uma cobra desperta

vai traçando seu desenho

num frêmito, lado a lado!

Mas que perfume teria

a gruta invisa? que visgo,

que estreitura, que doçume,

que linha prístina, pura,

me chamava, me fugia?

Tudo a bela me ofertava,

e que eu beijasse ou mordesse,

fizesse sangue: fazia.





Mas seu púbis recusava.

Na noite acesa, no dia,

sua coxa se cerrava.

Na praia, na ventania,

quando mais eu insistia,

sua coxa se apertava.

Na mais erma hospedaria

fechada por dentro a aldrava,

sua coxa se selava,

se encerrava, se salvava,

e quem disse que eu podia

fazer dela minha escrava?

De tanto esperar, porfia

sem vislumbre de vitória,

já seu corpo se delia,

já se empana sua glória,

já sou diverso daquele

que por dentro se rasgava,

e não sei agora ao certo

se minha sede mais brava

era nela que pousava.

Outras fontes, outras fomes,

outros flancos: vasto mundo,

e o esquecimento no fundo.

Talvez que a moça hoje em dia...

Talvez. O certo é que nunca.

E se tanto se furtara

com tais fugas e arabescos

e tão surda teimosia,

por que hoje se abriria?

Por que viria ofertar-me

quando a noite já vai fria,

sua nívea rosa preta

nunca por mim visitada,

inacessível naveta?

Ou nem teria naveta...

(Carlos Drummond de Andrade)



3 de abr de 2011

"SE".. escravas tivessem querer...

...provavelmente cantariam assim:


Quero que você me bata
Que você me xingue
Quero que você me espanque
Que você me arranhe

Quero que você me trace, baby
Que me coma e babe
Quero que você me arrase
E que me negue e rasgue

Que você me foda
Que você me esmague
Que você me curre
Que você me force
Que você me queime
E que você me goze

Quero que você me adote
Que você me cuide
Quero que você me exploda
Que você me explore

Quero que você me cheire
Que você me choque
Quero que você me pise
E que você me entorte

Que você me bata
Que você me apronte
Que você me negue
Que você me esgane
Que você me curve
E que você me love


Prenda

Bata

Rasgue

Pique, xingue e explore


Cuspa

Corte

Choque

Amarre, lese e love


Quero que você me beije, baby, baby.. beije, baby, baby..
Baby, baby, beije e babe
Quero que você me pise, que me bata e amasse


Que vc me curre

Foda

Mije

Espanque

Xingue

E que você me love



Que você me prenda

Que você me morda

Que você me rasgue

Que você me pique

Que você me mate,

E que você me love


*ai.. ai.. cantando.. dançando.. e suspirando..*


Música: Love
Cantora: Simone
Autor: Paulo Padilha
Letra adaptada: DEXPEX_{Amar Yasmine}



*;-)

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails